ESCOLHA, PAGUE E RECEBA SEU PEDIDO SEM SAIR DE CASA

Acriânea – Emanuel Pontes Pinto   

Gênero: História

Formato: 15 x 22 | Ano: 2015

Peso: 312 gr

Páginas: 260 | Offset 75 gr.

SINÓPSE: Este livro tem como tema central a Rebelião Acriana, ocorrida na Amazônia, na região dos rios Purus e Acre, entre o final do séc. XIX e início do sec. XX, com papel fundamental na História dos estados de Rondônia e Acre. Trata-se da gênese daquela desavença ocorrida entre Brasil e Bolívia, disputando as terras que hoje compões o estado do Acre e, além das análises, estabelece as relações com duas das principais consequências: a criação do Território Federal do Acre e a construção da Ferrovia Madeira – Mamoré, fatores determinantes dos posteriores territórios federais. As origens remotas destes fatos estão restritas ao desconhecimento de uma região que portugueses e espanhóis julgavam-se no direito de possuírem, usurpando-a dos povos nativos que a ocupavam.

Acriânea – Emanuel Pontes Pinto

R$68,00
Acriânea – Emanuel Pontes Pinto R$68,00
Sucesso! Você tem frete grátis
Frete grátis a partir de R$299,00
Entregas para o CEP:

Frete grátis a partir de R$299,00

  • Na Figueredo Avenida Gentil Bittencourt, 449, Belém, Pa - Atendimento de segunda à sexta das 10:00 às 19:00

    Grátis

Acriânea – Emanuel Pontes Pinto   

Gênero: História

Formato: 15 x 22 | Ano: 2015

Peso: 312 gr

Páginas: 260 | Offset 75 gr.

SINÓPSE: Este livro tem como tema central a Rebelião Acriana, ocorrida na Amazônia, na região dos rios Purus e Acre, entre o final do séc. XIX e início do sec. XX, com papel fundamental na História dos estados de Rondônia e Acre. Trata-se da gênese daquela desavença ocorrida entre Brasil e Bolívia, disputando as terras que hoje compões o estado do Acre e, além das análises, estabelece as relações com duas das principais consequências: a criação do Território Federal do Acre e a construção da Ferrovia Madeira – Mamoré, fatores determinantes dos posteriores territórios federais. As origens remotas destes fatos estão restritas ao desconhecimento de uma região que portugueses e espanhóis julgavam-se no direito de possuírem, usurpando-a dos povos nativos que a ocupavam.