ESCOLHA, PAGUE E RECEBA SEU PEDIDO SEM SAIR DE CASA

Gênero: Poesia

Formato: 14 x 20 | Ano: 2018

Peso: 101 gr

Páginas: 44 | Reciclado 75 gr

SINOPSE: “Retratos fora de foco para mulheres sob disfarce” é um coro costurado pela mão melodiosa de uma poeta. Izabela Leal compõe cada poema para uma mulher (o livro abre com um texto para Ana Cristina Cesar) e extrai desse recurso epistolar uma tensão - os destinatários mobilizam o leitor entre duas forças expressivas: a expectativa de encontrar naquele poema algum vestígio da mulher a quem ele se destina e, no correr da leitura, a experiência de compreender que todas essas mulheres não serão mimetizadas pela autora - serão, antes, refeitas em poiesis. Por isso o coro de vozes que este livro evoca (um coro fantástico, além de Ana C, estão Chantal Akerman, Adília Lopes, Cabíria, Elizabeth Bishop) precisa ser costurado; nestas costuras se manifesta a voz de Izabela Leal, atravessada pelas palavras e imagens de tantas artistas. Patti Smith dizia que era preciso ser plenamente ela mesma ao encontrar com alguém que a influenciara; é dessa ordem a operação realizada por Izabela Leal: diante das mulheres que a conduziram entre palavras, imagens e sons, ela se entrega profundamente inteira, dilacerada.

RETRATOS FORA DE FOCO PARA MULHERES SOB DISFARCE – Izabela Leal

R$30,00
Esgotado
RETRATOS FORA DE FOCO PARA MULHERES SOB DISFARCE – Izabela Leal R$30,00

Gênero: Poesia

Formato: 14 x 20 | Ano: 2018

Peso: 101 gr

Páginas: 44 | Reciclado 75 gr

SINOPSE: “Retratos fora de foco para mulheres sob disfarce” é um coro costurado pela mão melodiosa de uma poeta. Izabela Leal compõe cada poema para uma mulher (o livro abre com um texto para Ana Cristina Cesar) e extrai desse recurso epistolar uma tensão - os destinatários mobilizam o leitor entre duas forças expressivas: a expectativa de encontrar naquele poema algum vestígio da mulher a quem ele se destina e, no correr da leitura, a experiência de compreender que todas essas mulheres não serão mimetizadas pela autora - serão, antes, refeitas em poiesis. Por isso o coro de vozes que este livro evoca (um coro fantástico, além de Ana C, estão Chantal Akerman, Adília Lopes, Cabíria, Elizabeth Bishop) precisa ser costurado; nestas costuras se manifesta a voz de Izabela Leal, atravessada pelas palavras e imagens de tantas artistas. Patti Smith dizia que era preciso ser plenamente ela mesma ao encontrar com alguém que a influenciara; é dessa ordem a operação realizada por Izabela Leal: diante das mulheres que a conduziram entre palavras, imagens e sons, ela se entrega profundamente inteira, dilacerada.